Mais de 7 mil pessoas, provenientes de mais de 140 países, com cerca de uma centena de delegações representadas a nível político, estarão em Lisboa nos próximos dias para participar na II Conferência dos Oceanos das Nações Unidas.

Além dos trabalhos da Cimeira, que começam na segunda-feira e terminam na sexta, existem cerca de três centenas de “eventos satélite” que consolidam o sentido deste encontro mundial que Portugal recebe – a promoção da importância do Mar na resposta à crise climática, considerando que a Transição Verde não é possível sem uma Transição Azul assente na Ciência e na Tecnologia. Paralelamente, esta Cimeira permitirá fomentar múltiplas parcerias para uma Economia Azul, Sustentável e Inclusiva, assente no Capital Natural Azul (detalhes em anexo).

A ambição de Portugal é que esta conferência de Lisboa seja marcante para uma agenda global para os oceanos e se consolide o nexo Oceanos-Clima, conferindo-lhe mais profundidade e alcance.

Os trabalhos, os eventos e os encontros irão decorrer num contexto de debate à escala global, através de um ciclo de mais de 60 Blue Talks, promovido pela rede diplomática portuguesa, orientadas para a sensibilização e preparação da Conferência dos Oceanos.

Durante a próxima semana, serão realizados centenas de encontros bilaterais entre os líderes políticos presentes, transformando esta Cimeira num dos maiores palcos multilaterais deste ano.

No decurso destes cinco dias decorrem, igualmente, duas visitas de Estado – do Presidente da República do Quénia, país coanfitrião da Cimeira dos Oceanos; e do Presidente da República da Nigéria.

Do lado de Portugal, o Presidente da República, o Primeiro-Ministro, o Ministro dos Negócios Estrangeiros e o Ministro da Economia e do Mar, juntamente com os Secretários de Estado dos Negócios Estrangeiros e Cooperação, da Internacionalização e do Mar, asseguram a representação permanente de Portugal, bem como o acompanhamento dos trabalhos.

Logo Oceanos Notícia PD

  • Partilhe